Saúde

Ainda é período de cautela nas liberações

22/07/2021 15:58

Nesta quinta-feira (22) foi realizada nova reunião do Comitê de Crise da Covid-19, em São Bento do Sul. Desta vez não foram tratadas sobre novas liberações e o foco do encontro foram analisar os números quanto a atendimentos relacionados ao coronavírus no município. E os dados mostram que ainda o momento é de preocupação, em especial quanto ao índice de casos confirmados ante os suspeitos. 

Como mais de 20% dos casos analisados por exame laboratorial confirmam o diagnóstico para Covid-19, São Bento do Sul segue na classificação “grave” neste quesito que é analisado pelo governo estadual para compor a matriz de risco. “Por isso precisamos ter muita cautela quanto a novas liberações, pois estamos longe de 70% da população vacinada com as duas doses das vacinas”, ponderou a médica Andrea Duvoison, responsável pela Central de Monitoramento.

Atualmente, conforme a enfermeira e coordenadora da Vigilância Epidemiológica, Cristiane Jantsch Sestren, 58,24% da população vacinável, ou seja, acima de 18 anos de idade, já teve a primeira dose das vacinas aplicada. Mas, ainda faltam 26.868 pessoas para serem vacinadas e outra preocupação é quanto ao envio de doses por parte do Ministério da Saúde. São Bento do Sul recebe aproximadamente 2 mil doses por semana de vacinas, mas este quantitativo é insuficiente para cumprir o calendário do governo estadual.

A meta do governo era vacinar com a primeira dose 100% da população acima de 18 anos até o dia 31 de agosto. De acordo com Cristiane, para que São Bento tenha condições de cumprir a meta, o município deveria receber cerca de 5,4 mil doses por semana. “Já fizemos o pedido ao governo para ampliação no envio das doses, mas a resposta que temos é que o problema está no Ministério da Saúde, que não consegue manter o cronograma de entrega”, explicou.

Cristiane ainda reforçou que a Secretaria Municipal de Saúde tem condições de vacinar até 2 mil pessoas por dia, mas isso somente será possível com as doses chegando. “A gente tem capacidade de aplicação, mas faltam as vacinas”, lamentou. 

Segunda dose - Quem está prestes a receber a segunda dose de vacinas em São Bento do Sul também deve ficar atento a algumas regras. Conforme Cristiane, quem fez o cadastro para a primeira dose no site (vacina.saobentodosul.sc.gov.br) deve acessar o próprio site perto da data marcada para a aplicação, pois lá será informado local, data e hora. 

No caso de pacientes que fizeram o cadastro por telefone, ainda no início do processo de imunização, nestes casos a Secretaria de Saúde entra em contato via telefone com os pacientes. Quanto aos professores, os detalhes serão tratados via Secretaria de Educação e as próprias instituições, no mesmo formato de quando houve agendamento para aplicação da primeira dose.

Preocupação - Mas um ponto que vem preocupando a Secretaria de Saúde é quanto ao percentual de pessoas que deixam de se vacinar. Em São Bento do Sul, em média 10% da população nas respectivas faixas etárias não fazem o cadastro. E à medida que a vacinação avança para as faixas etárias mais jovens, aumenta o número de quem não se vacina.

Conforme os números do monitoramento, é justamente entre a população de 30 a 60 anos que estão os maiores casos de internamento neste momento, com destaque para quem tem entre 30 e 50 anos. Ainda de acordo com os dados, à medida que são aplicadas as duas doses da vacina, o número de registros por idade caem significativamente, e para as próximas semanas, estima-se que a população acima de 50 anos passe a ter ainda menos confirmações.

Apesar da ausência de diversas pessoas nas respectivas faixas etárias, Cristiane explica que não há sobra de vacinas no município, pois à medida que todos os cadastrados são vacinados, a Secretaria de Saúde vai ampliando o cadastro para outras idades. “Tanto que agora já estamos iniciando o cadastro para quem tem 35 anos”, explicou.

Variante Delta - A médica Andrea Duvoisin ainda fez uma apresentação sobre a variante Delta do coronavírus. Ela explicou que esta mutação do vírus tem 50% mais poder de contaminação se comparado à Alfa, a qual já tinha 50% maior poder se comparada ao coronavírus original. “Ela é muito mais contaminante”, destacou.

Por isso, ela voltou a pedir cautela quanto a liberações de novas atividades no município, pois alguns casos da Delta já estão sendo relatados em estados e cidades próximas a São Bento do Sul. Andrea citou exemplo de um navio que está atracado no porto de São Francisco do Sul e com todos os seus tripulantes proibidos de deixar a embarcação devido à confirmação de casos. Nesta semana também houve confirmação de óbito pela variante na cidade vizinha de Piên, no Paraná.

Hospital - Os números relacionados ao Hospital e Maternidade Sagrada Família também apresentaram leve queda nos últimos dias, mantendo-se os cinco internamentos em leito de UTI por Covid. Os demais leitos são de pacientes com doenças diversas e, principalmente, pós-operatório. Na enfermaria estão nove pacientes confirmados com Covid-19 e um caso suspeito. E existem ainda 21 outros com diferentes doenças, totalizando 31 leitos ocupados, dos 48 disponíveis.

Ao longo da última semana o Sagrada Família também registrou três óbitos por Covid-19, sendo dois de pacientes que estavam na UTI e um de paciente na enfermaria. O número de atendimentos na emergência geral teve queda, ficando com 120 na média por dia. Até pouco tempo chegaram a ser cerca de 180. O hospital também tem feito testes de Covid em casos suspeitos, e dos 268 realizados desde o início de julho, 38 tiveram diagnóstico positivo. 

Centros de Covid - Os números também mostram certa redução nos atendimentos nos dois centros de Covid de São Bento do Sul. Na última semana epidemiológica foram 552 pacientes, ante 598 da semana anterior. Desde o início do ano foram 18.403 pacientes. Mas, conforme Andrea, estes dados não refletem a realidade total, pois agora as unidades de Serra Alta e da Vila 1º de Maio não estão mais atendendo nos fins de semana. “Levando em consideração o que tínhamos de atendimento sábados e domingos, a redução não foi tão significativa assim”, ponderou. 

Quadras esportivas - Um tópico explicado durante a reunião pela diretora do Centro de Vigilância à Saúde, Silvana Bianco Bauer, foi em relação à venda de bebidas alcoólicas nas lanchonetes de quadras esportivas. Ela explicou que esta não é uma determinação municipal, e sim estadual. Portanto, a Prefeitura de São Bento do Sul não pode liberar por existir a proibição em nível de Estado. Também está proibida a utilização de churrasqueiras nestes espaços e os jogadores devem todos ser cadastrados, chegar apenas no horário dos jogos e sem acompanhantes. “Não é uma questão do comitê de crise”, reforçou.

Educação - O secretário de Educação, Josias Terres, falou sobre possíveis mudanças no regramento para as escolas. Entidades educacionais de todo o país pediram ao governo para reduzir de 1,5 metro para 1 metro o distanciamento entre alunos nas escolas, assim como a aferição de temperatura deverá ser feita somente em casos suspeitos, e não mais na portaria para todos os alunos. “Estamos nos preparando para caso estas alterações sejam realmente confirmadas”, disse.

Viviane de Vargas Miranda
Assessoria de Imprensa
Prefeitura de São Bento do Sul
Contatos: imprensa@saobentodosul.sc.gov.br